Talento tocantinense do vôlei de quadra migra para a areia e busca patrocínio

Migrando do vôlei de quadra para o vôlei de areia, o jovem talento tocantinense, natural de Palmas, Paulo Vitor Marques Amado Freire da Silva, o Paulinho, de 18 anos, vive a expectativa de poder seguir carreira jogando nas areias.

Paulo Vitor jogando vôlei de quadra na APAV Canoas (RS), gerenciada pelo campeão Olímpico Gustavo Endres. Apesar de estar nas categorias de base, foi convocado para o profissional duas vezes, compondo o elenco da Superliga B.

Na segunda quinzena de dezembro, o jovem Paulinho passou por um período de duas semanas treinando no Centro de Treinamento Cangaço, em João Pessoa (PB), um local de referência do vôlei de praia do Brasil e do mundo.

Com boa participação chamou atenção e foi convidado para permanecer mais seis meses em João Pessoa nesta temporada de 2021, para dar continuidade aos treinamentos. Porém, o que está pegando é que o garoto necessita de patrocínio para se manter neste CT em João Pessoa, e focado na carreira que escolheu.

Patrocínio

Mas precisa deste apoio para permanecer por lá. E por isso pede atenção do poder público (municipal e estadual), além das empresas privadas para que possam ajudá-lo neste período para realizar seu sonho de ser um jogador renomado de vôlei de praia do Brasil.

Paulinho, que nasceu em Palmas, irá levar o nome da Capital e do Estado nas competições nacionais que disputará nas areias brasileiras e quem sabe fora do País. E com isso, poderá mostrar o potencial dos atletas tocantinenses levando não só o nome, mas também a logomarca de quem ajudá-lo patrocinar.

Quadra

Paulinho aos 15 anos passou num teste no time Juvenil do Vôlei Canoas, que disputa a Super Liga B Nacional, e por lá permaneceu até os 18 anos, retornando para Palmas recentemente. Na época que Paulinho ingressou no Vôlei Canoas, o pai, Saulo Guilherme da Silva, e a família que residia em Araguatins, no Tocantins, se mudaram para a cidade de São Leopoldo (RS), onde a mãe do garoto Márcia Regina Marques Amado da Silva foi fazer Doutorado Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). O pai ainda mora no Rio Grande do Sul, pois segue fazendo a Universidade.

Gastronomia

Paulinho fez o Enem e passou em Gastronomia. Está matriculado na Universidade Federal de Pelotas (RS), mas ainda não fez nenhuma aula por causa da pandemia do Coronavírus (Covid-19). Segundo seu pai, ele ficou só matriculado. No final do ano passado surgiu a ideia dele fazer um período de treinamento de vôlei de praia.

Segundo o pai Saulo, sua esposa e seus outros filhos tinham contato com uma jogadora  de ponta do vôlei de areia, a Maguinha Andressa, que faz parte do CT Cangaço de João Pessoa, na Paraíba.

Paulo Vítor (C) com os jogadores Renato e Álvaro Filho
Paulo Vítor (C) com os jogadores Renato e Álvaro Filho (representante do Brasil nas Olimpíadas de Tokyo) – Divulgação

Surgiu a oportunidade então do jovem Paulinho fazer os treinamentos de 15 dias, no CT, e que agradou os representantes que cuidam do local, em especial Riceler Waske, preparador físico Cangaço Vôlei de Praia.
“O nosso centro de treinamento vem se destacando ao longo dos últimos anos com títulos nas categorias de base tanto a nível nacional quanto a nível mundial, a revelação de atletas para o vôlei de praia brasileiro faz parte da história do vôlei de praia paraibano. Receber o atleta Paulo Vítor para treinamentos junto assim como atletas de outros estados do Brasil sempre foi uma grande satisfação para a nossa equipe, destacamos o empenho dele em buscar performance na modalidade e estamos trabalhando para evoluir o atleta dentro do seu percurso até o esporte profissional”, destacou o preparador físico Cangaço Vôlei de Praia, Riceler Waske.

Lá no CT Cangaço, as pessoas chamam Paulo Vítor, de Valdívia (é que achavam ele parecido com um jogador de futebol já que passou pelo Inter, São Paulo, Vasco e estava no Avaí (SC).

Paulo Vitor

Paulo Vítor lembra que começou a se envolver com o vôlei foi no ano de 2014, quando iniciou os treinos na sua escola com 12 anos de idade. Já nesse período participava de campeonatos e assim surgiu o interesse, apesar do Estado oferecer poucas oportunidades fora da escola no esporte.

Paulo Vítor sacando durante uma partida de vôlei de areia:
Paulo Vítor sacando durante uma partida de vôlei de areia: jovem pretende retornar à João Pessoa para continuar os treinamentos no CT Cangaço – Divulgação

Em 2018, ele e a família foram morar no Rio Grande do Sul e lá por meio de uma peneira entrou no clube da APAV Canoas, onde foi muito bem recebido. Jogou durante o período de 2018 até o início de 2020 quando as atividades foram suspensas por conta da pandemia da Covid-19.

No segundo semestre de 2020 surgiu a ideia de migrar para o vôlei de praia e a sua família, principalmente, o irmão Gabriel correu atrás entrando em contato com o CT Cangaço e foi possível a ida para para uma fase de teste e adaptação no vôlei de praia em João Pessoa, na Paraíba.

Agora Paulo Vítor permanece em Palmas, mas aguardando que alguma empresa possa ajudar patrocinar seu retorno a João Pessoa para continuar os treinamentos.

Perfil
Nome: Paulo Vítor Marques Amado Freire da Silva
Apelido: Paulo Vítor
cidade onde nasceu: Palmas
Idade: 18 anos
Data de nascimento: 08/08/2002
Altura: 1,83m
Posição que joga: ponteiro
Peso: 74 kg
Escolaridade: Ensino médio completo
Clubes que já jogou: APAV Canoas (RS)

www.aloesporte.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui