O São Paulo entra em campo nesta quarta-feira no Morumbi, às 21h50, diante do Nacional, do Uruguai, em estado de alerta. Apesar do empate no jogo de ida, o Tricolor sabe que necessita de todos os cuidados no encontro que vale vaga para as quartas-de-final da Copa Libertadores da América. Um gol do time uruguaio pode ser decisivo no confronto.


Com o placar de 0 a 0 em Montevidéu, o São Paulo precisa vencer o jogo. Uma nova igualdade sem gols leva a decisão para os pênaltis. Todavia, qualquer empate com gols beneficia o Nacional para enfrentar Atlético Nacional, da Colômbia, ou Fluminense na próxima etapa.


?Desta vez, nós não podemos jogar com o regulamento. O resultado é deles. Qualquer empate é deles, inclusive esse 0 a 0 que levará a decisão para os pênaltis?, alerta o goleiro Rogério Ceni, que disputa sua quinta Libertadores seguida pelo Tricolor.


Na competição sul-americana, o São Paulo encontra clara dificuldade em marcar gols. Em sete partidas da Libertadores, o bicampeão brasileiro balançou as redes em apenas seis oportunidades. ?A gente ainda tem dificuldades na criação. A marcação, a gente vai acertando. Na Libertadores, fizemos poucos gols, mas tomamos poucos gols?, lembra Rogério Ceni, confiante que o sistema defensivo pode ser decisivo nesta quarta-feira.


Do lado do Nacional, a ordem é buscar um gol para complicar a vida do São Paulo no Morumbi. ?Sabemos que vai ser uma partida muito complicada, mas pensamos em fazer um gol para ficarmos mais tranqüilos e deixar o São Paulo com a obrigação de marcar dois?, confirma o goleiro Aléxis Viera.


No jogo de ida, os jogadores do São Paulo reclamaram muito da violência utilizada pelo adversário. Tanto que o volante Hernanes e o meia Jorge Wagner ainda estão em recuperação no departamento médico. No Tricolor, a exigência é para uma arbitragem rigorosa do argentino Héctor Baldassi.


?O árbitro que vem é muito bom, extremamente educado. Tenho certeza de que ele vai ter uma pegada diferente. Eu gosto do estilo de arbitragem da Libertadores, mas, na partida de ida, o árbitro (o chileno Rubén Selman) deixou correr demais?, reclama Rogério Ceni.


As lamentações são-paulinas repercutiram negativamente junto ao Nacional. O técnico do time uruguaio, Gerardo Pelusso, mandou um recado ao bicampeão brasileiro: ?Nosso time não é violento. O São Paulo jogou tão duro quanto o Nacional. No primeiro tempo de Montevidéu, fizemos apenas nove faltas contra 20 do nosso adversário?, compara.


Devido aos problemas físicos, o São Paulo deverá anunciar sua escalação apenas momentos antes da partida. O meia Jorge Wagner, com dores no joelho, é o principal problema. Destaque do segundo tempo em Montevidéu, Hugo aparece como opção para o time titular. No Nacional, a dúvida está no ataque, entre Fornaroli e Vera.


 



Ficha Técnica
São Paulo:
Rogério Ceni; Éder, Alex Silva, Miranda e Richarlyson; Zé Luis, Hernanes, Éder Luís e Hugo; Borges e Adriano
Técnico: Muricy Ramalho.
Nacional: Viera; Caballero, Victorino, Barone e Romero; Cardaccio, Javier Morales, Arismendi e Ligüera; Fornaroli (Vera) e Richard Morales. Técnico: Gerardo Pelusso.
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data:
07 de maio de 2008, quarta-feira
Horário: 21h50 (de Brasília)
Árbitro: Héctor Baldassi (ARG)
Assistentes: Francisco Rocchio e Roberto Reta (ambos argentinos) 


(Fonte: Gazeta Esportiva)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui