Cardiologista do Instituto de Moléstias Cardiovasculares (IMC) alerta para os cuidados necessários

A morte súbita do empresário João Paulo Diniz, filho do também empresário Abílio Diniz, no último domingo (31 de julho) atraiu as atenções da sociedade para o fato de que pessoas que levam uma vida saudável e praticam esportes podem também ter problemas cardíacos graves e correr enorme risco de vida. João Paulo era triatleta e sempre praticou esportes.

O empresário teve a chamada morte súbita cardíaca, que acomete mais de 320 mil pessoas no Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac). A realidade é ainda mais alarmante quando se descobre que, por ano, mais de 20 milhões de brasileiros são acometidos de arritmias cardíacas, a principal causa da morte súbita.

A morte súbita é frequentemente atribuída ao infarto. Porém, Adalberto Menezes Lorga Filho, cardiologista e especialista em arritmias e diretor científico do IMC, de São José do Rio Preto (SP), que integra a Hospital Care, explica: “Muitas pessoas que tiveram o diagnóstico de ‘infarto fulminante’, na verdade, tiveram morte súbita, não necessariamente decorrente de infarto.”

A ocorrência de arritmias cardíacas graves está entre as principais causas da morte súbita. “As arritmias podem ser consequentes de doenças cardíacas mais comuns como infarto e insuficiência cardíaca, mas outras doenças geneticamente determinadas também são causas importantes de morte súbita como, por exemplo, a cardiomiopatia hipertrófica, que está sendo considerada como uma das possíveis causas da morte do empresário”, afirma Dr. Lorga Filho. Outras doenças cardíacas, vasculares e neurológicas também estão entre as causas da morte súbita, porém em menor percentual.

O tempo para o socorro à vítima de parada cardíaca é muito curto. “O atendimento imediato é fundamental para salvar vidas”, ressalta o médico do IMC, que é também conselheiro da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas.

Como o tempo para o socorro é mínimo, a principal forma de combater a morte súbita, segundo o cardiologista, é a pessoa adotar atitudes e hábitos preventivos fundamentais, como não fumar, se exercitar, ter alimentação saudável, controlar a hipertensão e diabetes e fazer avaliação cardiológica periodicamente.

Sobre o IMC

O Instituto de Moléstias Cardiovasculares (IMC) é referência no tratamento de doenças cardíacas e vasculares, em ensino e pesquisa, sendo formador de centenas de médicos e na condução de estudos nacionais e internacionais, é um dos principais centros de referência no Estado de São Paulo para o diagnóstico e tratamento de pacientes que sofram de arritmia O IMC reúne 100 médicos de várias especialidades que atuam também em arritmias cardíacas, medicina nuclear, hemodinâmica, radiologia e exames diagnósticos. Possui hospital com centro cirúrgico, 14 leitos de UTI e 32 de hotelaria

Sobre a Hospital Care

A Hospital Care é uma holding administradora de serviços da saúde que possui atualmente mais de 45 unidades de negócios. Criada em 2017, é a primeira companhia no Brasil a trabalhar com o modelo de gestão baseado nas ACO´s (Accountable Care Organizations) dos Estados Unidos, organizações responsáveis pelo cuidado e compartilhamento de risco com as operadoras. Este modelo integrado de gestão da saúde tem o objetivo de promover o equilíbrio de interesses entre pacientes, médicos, fontes pagadoras, parceiros e acionistas.

Pertencente à gestora Crescera e aos fundos Santa Maria e Abaporu, a Hospital Care tem como estratégia de atuação a presença em cidades que funcionam como polos regionais para a gestão de saúde populacional, como Campinas, Ribeirão Preto, Florianópolis, Curitiba, São José do Rio Preto, Sorocaba e Cascavel, fortalecendo todo o sistema de saúde do país.

Informações para a imprensa

Marcelo Gomes (17) 996196844| [email protected]I IMC
Tatiane Generali (11) 93054-0024 | [email protected]
Breno Gouveia (11) 95324-9101 | [email protected] 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui